Pelo cheiro da lua

Só porque é o amor da sua vida não precisa ser pra vida toda e, acredite, você vai sobreviver a esse e a outros possíveis amores e a algumas crises de asma e quem sabe até ao ebola. Ou não. Mas o importante é que na hora certa você entende isso, é quando consegue tirar o último retrato da parede. Depois de semanas encarando a fotografia, inventando desculpas para deixá-la ali; você, de olhos marejados, com dor no peito e sob suspiros que interrompem sua mão errante de remover aquele instantâneo de um momento feliz e empurra-lo pra dentro de uma gaveta escura; conseguirá. Ontem foi a minha vez.

Aquele sentimento de que você fez tudo errado mais uma vez, que as coisas poderiam ter sido diferentes, que nunca mais você vai querer conhecer outra pessoa e que você não serve para a vida a dois, costuma ir para a gaveta junto com o retrato e lá dentro se unem a um universo paralelo de sentimentos que já estavam ali, de outros verões.  E em breve você estará leve como uma pluma para ir ler seu livro no parque mais próximo. Aconselha-se não mexer nessa gaveta para que a entalpia daquele microcosmos ali não se desestabilize e exploda na sua cara, pelo menos por um tempo deixe tudo, o amor, a dor, as mágoas e a saudade, eles se tornarão cometas errantes que vão causar extinções em massa em outras freguesias.

A lua hoje está alta e enorme e sedutora, parece que se eu inspirar perto da janela sentirei seu cheiro, que eu acho que é parecido com o de lima. Não sei se é porque o inverno acabou de começar ou se que ela está assim porque resolveu ser gentil comigo. Olhei pra ela agora e percebi que esse satélite natural não é capaz de me oferecer tudo que eu preciso ou desejo aqui e agora. É só uma bola enorme de rocha que gira por aí, como milhões de outras. Mas me sinto melhor com ela onde está, me apeguei ao seu contorno e suas crateras. Se ela se for eu serei menos Fábio, afinal eu não sou o mesmo que era antes de conhecê-la. Não poderia expulsá-la daqui de toda forma, mas poderia ignorá-la, ficar com raiva quando míngua ou fica escondida por entre nuvens. Mas gosto dela ali. Assim, às vezes perto, às vezes brilhante, as vezes nova ou ausente cuidando de seu problemas lunares em outro cantos da via láctea.

1449853814-istockmoon

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s