E se?

Estou lendo um pouco de pediatria, me atualizando. Gosto do tema mas tenho muita dificuldade com ele. Dos pacientes não gosto tanto, muito menos das mães neuróticas. Fiquei assustado quando li que no ano de 2010 morreram 12 crianças a cada minuto: de fome! É só um número que me apareceu no meio de um milhão de informações, poderia passar batido numa leitura dinâmica, que é o que costumo fazer com certos artigos. Mas isso me assustou. Uma criança a cada 5 segundos praticamente, em cinco segundos uma vidinha cheia de potencial… tempo que eu levo para fazer uma inspiração profunda no Pilates! Por falta de comida! Muito triste, desolador. Espero que esse número esteja em queda, meteórica e que em vários lugares do mundo o combate a fome seja priorizado frente a tópicos menos urgentes, como construção de pontes, estádios, e reajuste de salários de políticos. Tenho alguns pacientes com condição financeira precária, na unidade de saúde são distribuídos leite em pó e óleo de soja para crianças carentes de baixo peso, e a assistente social consegue cestas básicas para as famílias mais necessitadas. Aqui existe uma estrutura de combate a fome, mas e nos locais mais remotos? Nossa, não quero ficar pensando nisso agora, quero achar um jeito de poder ajudar. E se todos ajudassem?

Ontem, aparentemente, Osama Bin Laden foi finalmente localizado e morto por forças americanas. Segundo os noticiários o corpo foi lançado ao mar, seguindo um ritual mulçumano. Estranho, o corpo ter sido logo assim descartado. Espero que seja verdade, que tenham mesmo feito isso, mas fico me lembrando das teorias de que a ida a lua seria falsa e não consigo evitar os pensamentos de mais uma possível fraude norte-americana. Vamos rezar para que a alma de Osama queime no mármore do inferno por várias gerações.

Uma sobrinha da minha mãe está aqui em casa, deve ter uns dois anos de idade, totalmente sem noção. Não tem um pingo de medo do Apolo, quando cheguei do trabalho ela estava enfiando um tubo de creme dental na goela do cachorro, que ficava quieto enquanto era sufucado. Agora a noite ela tentou montar nele, como se fosse um pangaré. Ouvi um som surdo e forte, uma cabeça batendo no chão e em seguida um choro agudo. Claro que ele se levantou depressa e ela capotou. Minha mãe teve crise de riso e a menina morrendo de chorar. Apolo tem um paciência com criança, coisa que eu não tenho, principalmente criança mimada. A menina não pára quieta, ouço minha mãe gritando com ela o tempo todo, há alguns minutos ela enfiou o braço entre as barras do portão eletrônico e minha mãe quase surtou, quase que o braço da pestinha foi arrancado. E se a mãe dela não a deixasse mais aqui em casa?

I got free porn. A operadora de TV por satélite liberou alguns canais adultos, heterossexuais. Que porre. Podiam ter liberado uns filmes do pay-per-view, seria muito mais lucro. Não sabia que estavam distribuindo free porn. Meus irmãos que vão adorar, meu pai idem. Mudei hoje a programação da minha tv por assinatura, estava muito caro, um dinheiro praticamente jogado no vento, eu quase não vejo TV. Vou converter o dinheiro em economias, para viagens vindouras. Menos cinquenta reais por mês, enconomizarei seiscentos por ano! E se eu tivesse cancelado ao invés de diminuir meu pacote?

Ainda não resolveram o problema de meu iPhone, já perdi mais de 7 horas ao telefone com a Vivo e agora me pediram para voltar a ligar na quinta-feira. Fica tocando a música One love, do U2, já estou com ódio dessa canção. Odeio tanto essas burocracias, nessa hora me dá vontade de ir morar na roça e só me preocupar em ordenhar as vacas. De repente deveria era tratar essa minha dependência tecnológica, talvez se eu não achasse que meu telefone é tão importante quanto o meu pâncreas eu não ficaria tão estressado como fato dele não estar funcionando. Temas pra as próximas sessões de terapia. E se eu vendesse meu gadgets?

Meu coração está em paz ultimamente, nada que eu queira compartilhar por hora, nada definido, mas vários caminhos muito interessantes a serem trilhados. Estou bem comigo, o que facilita um possível envolvimento com outrem. Perdi por hora minhas amigas solteiras, uma de férias a outra surtada com faculdade, sei que elas estão piores do que eu, ainda não encontraram o caminho da luz. Argh. Nada disso, ainda não criaram é amor próprio. Acorda, menina!

Hora de papar, pelo menos eu tenho o que comer. Que deprê. Minha mãe fez uma comidinha especial para minha cunhada e é claro que eu vou cair de boca. Apolo sentiu o cheiro e já está eriçado aqui. Eita cachorro fominha. Essa semana várias pessoas o confundiram com uma fêmea, só porque ele é todo sedoso e elegante, puro machismo.

Hoje não é quinta, mas aí vão dois poemas legais de um dos meus autores mais queridos:

Se (Paulo Leminski)

se
nem
for
terra
se
trans
for
mar

Anúncios

Um comentário sobre “E se?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s