Brincar de ser feliz

Quem nunca leu por aí aquela história de uma menina que ficou triste por não ter ganhado sapatos novos dos pais e ao virar a esquina viu uma criança sem os pés, ou versão semelhante envolvendo braceletes ou o que for? Eu li essa história quando eu era pequeno, se não me engano num salão de beleza enquanto esperava minha mãe fazer as unhas. Ao lado havia um quadro com a arca de Noé, tenho certeza. Fiquei chocado com a história e saí contando pra todo mundo.

Pois é, hoje eu virei a esquina e me deparei com alguém em situação muito pior que a minha. Não que eu tenha ficado feliz sabendo que há outro ser humano mais miserável que eu, mas foi um alento, não posso deixar de confessar.

Fiquei o dia todo envolto com relatórios de atividades desenvolvidas por mim com meus alunos do programa de educação permanente. Eles não são bem alunos, sou uma espécie de facilitador de aprendizado pra ser mais exato. Relatórios atrasados, de novembro até hoje. Adoro fazer relatórios, mas sempre me esqueço de que eles são pra minha superiora e não para serem feitos quando eu estiver afim. Estava eu relatando quando alguém me chamou para conversar no Facebook. Tipo, eles têm uma ferramenta que fica sugerindo diversas pessoas para vocês conhecer com os mais variados propósitos e alguém tinha me escolhido para conversar.

Esse alguém foi supersimpático, me cumprimentou, perguntou sobre meu dia e falou um pouco de si. Eu falei um pouco de mim e do que estava fazendo naquele exato momento, ele pediu desculpas por estar me interferindo e disse que depois conversaríamos. Mas eu tinha o dia todo para relatar e preferi conversar mais. Ele me perguntou se eu namorava, respondi que infelizmente não e ele me respondeu: – Eu namorava, meu namorado morreu há 17 dias.

Bem, não é o que se costuma ouvir nesse tipo de interação social. Eu tinha deixado claro para ele que estou numa fase minha, queria amigos, um bom papo, mas não estava pronto para me relacionar seriamente e nem queria nada casual. Para mim era indiferente se ele namorava, casado, solteiro, dono de harén, mas viúvo de 17 dias? Putz, eu digitei a palavra “Credo” e antes que meu bom senso me fizesse escrever algo mais inteligente eu apertei a tecla Enter. Ele ignorou minha grosseria, estava procurando por distração, não consolo. Conversei muito com ele, ele disse que adora cachorros e que está com saudade de seu cachorro que mora em uma fazenda, não como a do cachorro do Ross, uma fazenda de verdade. Eu mostrei pra ele meus filhos e ele se apaixonou. Eu disse que tinha que voltar a minhas atividades e me despedi.

Foi estranha aquela conversa, acho que fez bem a ele, eu o fiz rir, e fez bem a mim, apesar de eu não ter rido de nada. E veio numa hora tão boa essa conversa, esse choque de realidade. Minha mãe vive me dizendo que tem sempre gente sofrendo mais que a gente, mas é diferente quando você conversa com uma pessoa que está passando por situação semelhante a sua, perda da pessoa amada, mas de forma muito mais trágica.  Eu tento agir como se meu ex tivesse morrido, mas não sei como estaria se isso tivesse mesmo acontecido, acho que eu teria me matado porque apesar d’eu estar me recuperando da separação ainda existe lá no fundo aquela esperança de um dia, quem sabe talvez, que eu não alimento.

Hoje pela primeira vez na história desse meu episódio de depressão eu fiz uma faxina completa no meu quarto! E isso pra mim significa muito, pois sou sabidamente compulsivo por limpeza e meu quarto já estava fedendo.  Só de pelo do Apolo tirei uma sacola. Um monte de revistas e jornais velhos, uma pilha de meias sujas num canto, um nojo só. Até cantar eu cantei, vi Glee, terminei meus relatórios, fiz minhas apresentações em power-point, brinquei com meus cachorros e até ri vendo Friends. A Phoebe me mata. E mais, ganhei um par de ingressos para uma pré-estreia com direito a combo de refrigerante e pipoca e tudo. Iupi! Um dia menos azul. E agora a noite vou ver Fringe, passar na casa do meu irmão e ver minha princesinha depois ir dormir.

Ainda não pus o pé na rua hoje, nem quis ir correr com minhas amigas. Tirei o dia pra mim, foi um dia de brincar de ser feliz.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s